Diferença entre Custo e Despesa

By IVAN CHRISTÓFOLLI

Muitos empresários utilizam os conceitos de maneira equivocada. Entenda a diferença entre custo, despesa, gastos, investimentos e perdas e faça o tratamento eficiente de seus gastos.

Entender a diferença entre custo e despesa é mais que uma simples preocupação com a nomenclatura, possibilitando ao gestor o tratamento eficiente de seus gastos.

Antes de iniciarmos na definição desses conceitos, é importante entendermos que custos, despesas e investimentos estão todos dentro do grupo de gastos.

Gasto

É qualquer tipo de desembolso financeiro, dispêndio ou sacrifício que uma organização, pessoa ou governo faz para adquirir um produto ou serviço.
Exemplos: compra de matéria-prima, pagamento de mão de obra, compra de móveis, etc.

Desembolso

O desembolso indica o pagamento decorrente de um gasto. Representa a saída efetiva do caixa para o pagamento. O desembolso pode ocorrer antes, durante ou depois do gasto.

Investimento

É um gasto cujos benefícios serão colhidos em um período futuro. Um investimento gera suporte tecnológico, estrutural ou operacional em função da utilidade futura.

Exemplos: aquisição de máquinas e equipamentos, móveis, ferramentas, etc.

Pode ser um gasto ativado em função de sua vida útil, como a troca do motor de um carro.

Despesa

É um gasto relativo à manutenção de atividades operacionais e obtenção de receitas, sem vínculo com a produção. Envolve bens ou serviços consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas.
Exemplos: comissão de vendas, folha de pagamento do pessoal administrativo (contabilidade, finanças, vendas).

Na DRE (Demonstração do Resultado do Exercício), o “Custo das Mercadorias Vendidas” representa, na verdade, as despesas. Para o autor Eliseu Martins, o correto deveria ser “Despesas das Mercadorias Vendidas”.

As despesas podem ser classificadas em:

A. Despesas Variáveis: são restritas às despesas com vendas, pois variam de acordo com o volume de vendas, podendo ser facilmente apropriadas aos produtos. Exemplo: comissão paga a vendedores.

B. Despesas Fixas: são as despesas resultantes do processo administrativo e financeiro da empresa e que não variam de maneira proporcional ao volume de vendas. Exemplo: salários do pessoal administrativo, telefone.

Custo

É um gasto relativo a um bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços. Está relacionado à produção.

Exemplos: compra de matéria-prima, energia elétrica da fábrica, etc.

Os custos podem ser classificados em:

A. Custos Diretos e Indiretos: envolvem a relação entre custo e produto fabricado. Custos Diretos podem ser diretamente apropriados ao produto, como mão de obra direta. Já os Custos Indiretos precisam de rateio para a alocação a um determinado produto, como o custo com energia.

B. Custos Fixos e Variáveis: estão relacionados ao volume de produção. Custos Fixos são aqueles que permanecem constantes dentro de determinada capacidade produtiva instalada, independente das oscilações na produção, como aluguel e salário do diretor de produção. Já os Custos Variáveis se alteram em função da produção, crescendo de acordo com o aumento das atividades produtivas, como matéria-prima e embalagens.

Perda

Além dos gastos apresentados, temos outra classificação: as perdas. São bens ou serviços consumidos de forma anormal e involuntária, fora do processo rotineiro da empresa. São imprevistos e não representam sacrifícios feitos com intenção de obtenção de receita.

Exemplo: perdas com incêndios, desabamento, atentados, gasto com mão de obra durante um período de greve, obsoletismo de estoques, etc.

Em caso de dúvida quanto à estas classificações, fale com seu contador!

*Fonte: www.mahagestao.com.br
​**Este conteúdo foi feito com base no livro Contabilidade de Custos do Eliseu Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *